Alimentação saudável, a base de excelente memória

A todos nos aconteceu: passamos horas colados livros ou computador, prepare-se para passar esse exame e, à mera horas, nos falha a memória! Por isso, a seguir apresentamos alguns alimentos que melhoram a adesão e serão de grande ajuda este fim-de-cursos.


Alimentos, Memória


Quando o cérebro tem a tarefa de “lembrar-se”, registra-se uma série de movimentos a nível neuronal (neurônios são as células desse órgão vital), que requerem um sem-número de elementos para que o objetivo seja alcançado. O organismo adquire essas substâncias, principalmente, a alimentação, o que suministrárselas nas quantidades necessárias, no momento oportuno, redituarán em excelente trabalho intelectual e estímulo à criatividade.


Estes são os compostos que dão boa saúde para o cérebro e os alimentos que se podem encontrar:



  • Cálcio e fósforo. Ambos permitem a transmissão de informações entre os neurônios, regulando processos mentais que intervêm na forma importante na memória. Estão presentes em peixes, leite, queijo, ovos, amêndoas, avelãs, nozes e germe de trigo. A forma de suplemento nutricional pode consumir lecitina de soja, que bem pode ser tomado todos os dias (uma colher de chá depois de cada refeição), já que, além de motivar as atividades cerebrais, tem a ação de equalização dos níveis de colesterol, ou seja, baixa o ruim e aumenta o bom.

  • O Cobre. Mineral que equilibra o organismo e tem efeitos sedativos para fornecer a concentração durante o trabalho intelectual. Encontra-Se em germe de trigo, leite e seus derivados, espinafre, fígado e gema de ovo; além disso, ajuda na formação de glóbulos vermelhos, responsáveis por levar oxigênio para o cérebro por meio do sangue.

  • Magnésio. Elemento que reforça a memória e estimula o bom funcionamento dos neurônios. Pão integral, chocolate, grão de bico, feijão, arroz, espinafre, mamão e banana, além de germe de trigo são ricos neste mineral.

  • Glicose. É um dos principais sustentos do cérebro durante a atividade intelectual, o que é recomendável consumir mel ou suco de frutas, de forma equilibrada, pois o excesso pode trazer outro tipo de problemas (como diabetes), e uma baixa taxa de administração pode levar a hipoglicemia (nível reduzido de açúcar) que faria com que o cérebro funcione de forma adequada.

  • Aminoácidos e oligoelementos. Este conjunto de alimentos ativa a potência cerebral e, em particular, a capacidade de se lembrar. Por se fosse pouco, eleva o estado de espírito. Nós os encontramos, de preferência em frutos do mar, peixes, levedura de cerveja e amêndoas.

  • Vitaminas. A vitamina a (retinol) repara os tecidos, é importante para a visão, combate bactérias e infecções e ajuda na formação de ossos e dentes. Está presente na carne de frango, peixe, acelga, agrião, espinafre e cenoura. As vitaminas do grupo B, incidem significativamente nas mudanças de humor e o desempenho do cérebro. Um exemplo disso é a tiamina ou vitamina B1, essencial para o bom funcionamento do sistema nervoso e que, além disso, provoca o apetite e ajuda ao crescimento e ao bom estado dos músculos. A contém carne de porco, vegetais de folhas verdes, legumes, gema de ovo e levedura de cerveja, assim como cereais integrais, fígado e leite. Sua deficiência pode levar a perda da consciência, diminuição de memória e potencial dano cerebral. Por sua parte, tocoferol, a vitamina c E se encarrega de proteger os glóbulos vermelhos, é essencial para o bem-estar das células do organismo e a prevenção de coágulos sanguíneos internos. As oleaginosas em geral, como nozes (de Castela e da Índia), castanhas e amêndoas são a mais notável fonte desta vitamina.

  • Carboidratos. São a principal fonte de energia para todas as funções do corpo, desde uma caminhada até pensar, dormir e memorizar; encontram-se em milho, feijão, arroz, omeletes, trigo, pão, farinhas, massas, aveia e frutas, assim como em frutas como o figo, banana, melancia, maçã, morango, mamão, pêssego, pêra, laranja, abacaxi e manga. O seu consumo excessivo pode desencadear ou acentuar diabetes e problemas cardiovasculares (coração e vasos sanguíneos).

Embora seja de vital importância para qualquer idade, o pequeno-almoço é peculiarmente valioso para os alunos do ensino médio e a universidade, isto é, jovens e adultos que precisam para evitar que diminua a velocidade e precisão da memória. É assim que se sugere comer ovos, mexidos ou cozidos, com uma fatia de presunto, um copo de leite ou iogurte, um pedaço de queijo, nozes e amêndoas.


Antes da refeição, e a forma de refresco, os nutriólogos recomendam que se ingira frutas ou suco natural, embora um chocolate de vez em quando ajuda. Lembre-se que é importante jantar algumas horas antes de dormir, já que, desta forma você prepara o organismo para a intensidade do dia seguinte, o que não é recomendável “pular” nenhuma das três refeições.


Para arredondar uma alimentação plena, podem ser considerados os suplementos alimentares e vitamínicos, já que compensam a possível falta de nutrientes (muitos deles incluem em sua formulação compostos, como ginseng e gingko biloba, os quais estimulam o cérebro para funcionar corretamente).


Duas dicas mais de vital importância: procura dar ao corpo o descanso usando o sono, pois assim recarrega as energias perdidas pelo trabalho intelectual, e fique longe do álcool, cigarro e outros estimulantes que podem alterar o desempenho natural do cérebro.