Cuidar da própria saúde

Cuidar de outra pessoa significa adquirir uma série de exigências que, algumas vezes, podem prejudicar o cuidador, tanto no aspecto físico como no mental e psicológico. Às vezes, no trabalho de cuidar, são negligenciados atividades que permitem recuperar-se de aspectos como o cansaço, a tensão e o stress de cada dia. Por isso, os prestadores de cuidados de saúde que melhor se sentem são os que levam cerca de hábitos de vida saudáveis que lhes permitam ter melhores condições físicas e psicológicas e assim cuidar adequadamente de si mesmos e de sua família.


Te orientamos através de uma simples e básicas ações para a sua saúde:


1. Dormir o suficiente


Dormir é uma necessidade vital. Sem uma boa noite de sono, as pessoas podem ter uma infinidade de problemas como falta de atenção, maior risco de acidentes e irritabilidade. A falta de sono é um problema comum entre os prestadores de cuidados de saúde, porque muitas vezes de cuidar de um familiar significa atendê-lo dia e noite. Tudo isso pode provocar um aumento da tensão emocional e uma maior fadiga do cuidador.


2. Fazer exercício com regularidade


O exercício físico é uma forma útil de combater a depressão e a tensão emocional. É uma forma saudável de eliminar as tensões que vão se acumulando ao longo do dia. Muitos prestadores de cuidados podem pensar que encontrar tempo para fazer exercício é, em si, um problema. Mas há sempre alternativas. Caminhar é uma das formas mais simples de fazer exercício, e por isso se podem aproveitar as saídas para a rua de compras ou a fazer gestões) para caminhar um pouco. De igual forma, se as condições físicas da pessoa que cuida-se assim o permitirem, podem caminhar juntos, mesmo que seja por um curto espaço de tempo. A bicicleta estática também é uma boa opção para fazer exercício sempre que sair de casa é difícil.


3. Evitar o isolamento


Muitos prestadores de cuidados de saúde, como conseqüência de um excesso de trabalho, distanciam-se de seus amigos e familiares quando a pessoa a que se importam requer uma dedicação intensa. Isso pode levar a uma situação de isolamento que aumenta o cuidador a sensação de “sobrecarga” e stress, e que pode causar problemas físicos e psicológicos. Para evitar que isso ocorra, uma boa solução é que o cuidador tenha algum tempo livre para fazer atividades que lhe agradem.



Se o cuidador tem dificuldades de tempo e é necessário que outras pessoas lhe substituam durante algum período, a pedido de ajuda pode dar resultados muito bons. Em qualquer caso, é importante manter as amizades e dedicar um tempo para estar com eles.


4. Sair de casa


Destinar algum tempo para estar fora de casa é também um hábito saudável e aconselhável para os prestadores de cuidados de saúde. Diante de uma recomendação como esta, os prestadores de cuidados de saúde costumam levantar a seguinte questão: “Me parece muito bem, mas com quem eu deixo para o meu marido (pai, irmã,…)?”. Evidentemente, não é fácil, mas é importante buscar alternativas, já que, se não contamos com momentos para estar fora de casa, visitar alguém, caminhar ou estar com os amigos, poderíamos chegar a ter a sensação de viver “preso”. Para que isso não aconteça, agora encoste-se um familiar ou amigo que te substitua nos momentos em que você sente você precisa de um descanso.


5. Manter hobbies e interesses


Com freqüência, as pessoas que cuidam de familiares mais velhos, tendem a concentrar-se de forma quase exclusiva nas necessidades destes e a empregar a maior parte de seu tempo em atendê-los, sem reparar em suas próprias necessidades. No entanto, embora seja difícil, o ideal é manter um equilíbrio entre as próprias necessidades e interesses pessoais e as obrigações que envolve de cuidar de um familiar. Por isso, em caso de que se tenham ido abandonando hobbies, atividades, contato com as amizades, e outros, é conveniente que pouco a pouco se vão incorporando outra vez a nossa vida. Assim, o cuidador pode começar por elaborar uma lista das atividades que você gostaria de fazer e, a partir daí, escolher aqueles que sejam mais viáveis e começar com elas. Gradualmente, você poderá ir selecionando outra atividade para incorporá-la e, desta forma, fazer com que o desfrute pessoal seja uma parte natural da vida diária do cuidador.


6. Descansar


As pessoas que estão a cuidar de um familiar estão sujeitas ao longo do dia-a-um esforço contínuo. Por isso, é importante que introduzam em sua vida diária, momentos de descanso, sem que seja necessário, para isso, sair de casa ou deixar só a sua família. Existem formas simples de se distrair e relaxar, por exemplo, respirar profundamente durante alguns instantes, a olhar ao longe pela janela, a pensar em algo agradável, tomar um refrigerante, entre outras. Também pode ser muito útil praticar alguma técnica de relaxamento. O relaxamento é um bom método, com uma dedicação mínima de tempo por dia, podemos obter grandes benefícios físicos e psicológicos.


Possíveis razões para não dormir: orientações para cuidar do cuidador


O cuidador tem muitas tarefas para fazer durante o dia, e por isso não dispõe de tempo para dormir o suficiente. Para isso recomenda-se planejar o tempo, fazer somente o que é estritamente necessário e dedicar alguns momentos do dia para descansar. Isso permitirá que o cuidador se sinta melhor e, além disso, irá ajudá-lo a render mais. Também pode-se descansar durante os momentos do dia em que a pessoa que recebe os cuidados descansa, por exemplo, a hora da sesta.


A falta de tempo é uma das maiores preocupações dos cuidadores, pois devem dividir o seu dia entre as suas próprias necessidades, cuidar do seu familiar, atender a outras pessoas da família, suas responsabilidades trabalhistas, e estar com amigos. O tempo é sempre limitado e exerce uma grande pressão sobre os prestadores de cuidados de saúde, que se sentem, muitas vezes, “ultrapassados” por as múltiplas obrigações e tarefas que devem ser realizadas a cada vez. Tentar combinar da melhor maneira possível, as nossas obrigações, necessidades e quantidade de tempo de que se dispõe, é algo que sem dúvida pode nos ajudar a viver melhor.


Como organizar o tempo?



  • Perguntar “o que É necessário fazer isso?”. Desta forma, você pode decidir quais atividades são importantes e que atividades você pode dizer “não”.

  • Definir objectivos realistas antes de se comprometer. Contar com outros membros da família. Questioná-los, pedir sua opinião, ver com eles que podem nos ajudar e incluir esta ajuda em nosso plano de vida.

  • Envolver a sua família, as mudanças e decisões.

  • Elaborar um plano de atividades.

Como fazer um plano de atividades?


1. Fazer uma lista de todas as tarefas que devem executar.


2. Organizá-los de acordo com sua importância, a começar pelas mais relevantes.


3. Marcar para cada tarefa o tempo aproximado que você precisa dedicar.


4. Fazer outra lista com as atividades que gostaria de realizar.


5. Organizá-los de acordo com a importância para você.


6. Marcar para cada atividade o tempo aproximado que você precisa para realizá-la.


7. Faça agora uma única lista com as tarefas que deve realizar e as que gostaria de fazer, seguindo uma ordem de importância.


8. Se não há tempo para todas as tarefas e atividades que marcou, adie para outro momento, as que estão nos últimos lugares da lista e, quando dispuser de tempo extra, dedíquelo a elas.